quarta-feira, 23 de junho de 2010

--

~~ Sub _ Marino ~~

Subliminar

Algumas vezes eu me vejo imersa em sensações que claramente existem em mim - como lembranças de que algum dia pude realmente prová-las - mas que, estranhamente, não consigo reconhecer neste mundo nada nem ninguém que fosse capaz de causá-las.

Todos os dias,Pedaços de possibilidades flutuam ao meu lado; se aproximam, esbarram, pedindo silenciosamente para que eu as pegue, toque, tente, experimente. Cutucam meu juízo com um urgente desejo por uma chance de mostrarem que uma delas - ou todas - podem ser de fato a responsável - ou as responsáveis - por esse meu sentimento de plenitude tão nostálgico.

nós colocamos emAlgumas chegam a ser traiçoeiras: por hora me enganam, me inflam, me fazem subir até anovas situações, coisas,

superfície.

desejos ou pessoasMas em pouco tempo o efeito se esvaie lá estou eu, sendo lançada mais uma vez ao

nossa expectativa e angústia de que aquilo, se alcançado, fundo.
poderia nos fazer felizes.
Ah, o fundo ! ... Cada vez mais perto posso sentir isso que me alucina, ao passo que mais longe e escassas se vêem as possibilidades disponíveis a mim para alcançar tal felicidade.

Até que a tal coisa chega e nãoNesses momentos de desilusões e náufragos, me ocorre que talvez eu jamais possa encontrar uma razão definitiva no mar a minha volta, apenas motivações momentâneas e passageiras. E que para trilhar o verdadeiro caminho até meu baú de ouro, será necessário apenas
nos completam
como estávamose
imaginando, porquer
na verdade, isso de nosg
sentirmos completos podeu
apenas ser interno, com nós _l
mesmos. Mas esse infinito buscarh
por algo que parece faltar, que causaa
a sensação de ser externo é o que anima,r
que dá graça para sair e viver, é isso que nos para dentro, repetida, infinita e incessantemente. Até que apenas essa eterna busca saudosista, misteriosa, seja causa e entendimento suficiente para que cessem os vendavais e tempestades e que a calmaria preencha inteiramente o meu mundo submarino, que é a minha alma. leva até
o fim.
--

16 comentários:

Lua disse...

Olha o texto é lindo e intenso, entrei nesse seu mergulho e mergulhei em mim.
é tão bom dedilhar palavras desprentisiosas...
mas uma dica, para quem problema de vista (eu), ler seu blog é um sacrifício.
mt pequena a letra e esse fundo preto não ajuda!
só uma dica.

Nanci S. Bizutti disse...

" Pedaços de possibilidades flutuam ao meu lado; se aproximam, esbarram, pedindo silenciosamente para que eu as pegue, toque, tente, experimente." esse pedaços podem ser chances, vale a pena tentar *--*

Si Wasabi disse...

Oi! Muito criativo e bem escrito o seu "mergulho". Profundo e intenso. Gostei!

Bjs.

Suzy Carvalho disse...

sempre mergulho em mim, faz bem, por vezes quando fazemos isso compreendemos melhores as coisas q antes pareciam confusas e enubrecidas.

seguindo tbm :D

Rebeca Abrunhosa disse...

Sobre as letras pequenas, no caso desse texto o tamanho delas foi essencial para um função 'subliminar' que eu quis colocar no texto que parece que ngm descobriu até agora rs (=

Suzy Carvalho disse...

indiquei vc a dois selos
soh ir la no meu blog e pegar =)

Esconderijo disse...

Impressionante como o nosso mundo submarino causa tantos vendavais no interior. Adorei a intensidade do seu texto. Parabéns!

Se animar, visite o ESCONDIDIN: http://escondidin.blogspot.com/

Vlw.

Djoni Filho disse...

As vezes é preciso ter cuidado, com a filosofia intensa e com a ausencia dela... dependendo da intensidade da filosofia, esta poder te deixar cada vez mais confuso e perturbar sua sanidade... buscando a razão, contraditoriamente ficaremos cada vez mais distante dela...

A ausencia da filosofia nos mergulha na ignorancia, submissão, escravidão, alienaçao... Achemos então o meio termo, a virtude, pois o ponto maximo da filosofia e o minimo dela é a ignorancia.

O seu blog, portanto, é uma virtude. ;) Parabens

Abraços. Comentei e estou seguindo seu blog. Se for do teu interesse, dá uma visitinha no meu. Se gostar do blog, comenta. Se apaixonar, segue. Se gamar, indica. Se enlouquecer, controle sua filosofia.

..:: Divulgando e Debatendo ::..
http://divulgandoedebatendo.blogspot.com

Rafa disse...

Intenso, profundo, muito seu....
blz ver q além de seu rosto bonito(foto do perfil), existe uma profundidade e dor nas palavras que vc escreve. muito explorado e lindamente ilustrado com aquele imagem q me fez viajar... gostaria de dividir com vc um pedaço do meu poema preferido, q diz mto a artistas, como vc..

o poeta é um fingidor,
finge tão completamente
que chega a fingir q é dor
a dor q deveras sente!!!

(autopsicografia- fernando pessoa)

---
parabens..

depois passa lá se quiser :
http://culturapoperudita.blogspot.com/

João Felipe disse...

AMEI! Amei...
O texto subliminar está excepcional, sorte a minha que tenho mania de ler textos online os selecionando.
Realmente vc mergulhou bem fundo, e foi isso que fez eu chegar até o fim. Beijos, amei, te seguindo x)

Carlos Alberto Mota Candreva disse...

Ótimo. Você a mesma técnica que um autor que esqueci o nome,que brinca com o texto formando imagens, parabéns..

http://carloscandreva.wordpress.com/

Macaco Pipi disse...

muito sentimento!
gostei!

Senhorita Marmelada disse...

Texto lindo!
Adorei, muito intenso.
Amei seu blogger!!!
Bjosss e parabéns!

Carol disse...

gostei muito da intensidade e composição do texto,
parabéns...

http://cnavega.blogspot.com/

Lucas Esteves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lucas Esteves disse...

Possibilidades...ora tão próximas de nós, outroa tão distantes. Mas aí me surge uma dúvida. Será que são elas - as possibilidade - que fazem esse movimento de vai-e-vem ou nós mesmos?
No primeiro caso, caberia a nós imitar o movimento, enconstando nela e assim trasnformando elas em algo mais que possobilidades, algo que não sei com que palavra descrever.
No segundo caso, ou seja, se o movimento é feito por nós, bastaria apenas parar na hora certa. Talvez, ao invés de ficar correndo, é preciso caminhar, ou até mesmo parar, sentar...

Existe também uma terceira hipótese: Que tanto as possibilidades, quanto nós estamos em constante movimento, que não é apenas um movimento de vai-e-vem, mas sim um movimento desvairado. Acredito que isso seja bem mais provável, e para isso, não tenho a solução......cansei....heheheh

Desculpe por me prender a uma uinica parte do texto, mas é que se eu fosse falar dele de um modo completo, ficaria muito tempo escrevendo, e seria em vão, por não ficaria digno de tanta beleza que nel se encontra, tanta sensibilidade tanto no que se refere ao conteúdo quanto a forma...


Um abraço!
http://estevespensando.blogspot.com/