quarta-feira, 4 de julho de 2012

--

Nada embrulha mais o estômago do que o morno
Pessoas mornas, vidinha morna, café morno
Amor morno, então...
Sem paixão, sem tesão
Enjoa, dá ânsia de vômito
Gastura, desânimo

Eu quero mesmo é queimar em chamas
Brasa mansa não me serve, não
Eu quero é febre, insolação
O delírio desmedido
Ou estremecer inteira de frio
Congelando todos os sentidos
E no fim aquele arrepio
Assim caí bem também

Só não me venha na contramão
Com tanto faz, mais ou menos, contenção 
Porque eu corto, latejo, enlouqueço
Sou vibração
Porque o quase alguma coisa não é nada
E eu sou coisa demais pra caber dentro de frecha, brecha
Espacinho ou beirada

--

8 comentários:

Vanessa Ponzoni disse...

Eu gosto de tudo muito hot!rs
Muito bom o texto :0
pontosdabeleza.blogspot.com

Furdunço disse...

poxa ,gostei mtooo do poema ,de fato o mundo ta repleto de pessoas mornas q se apoiam no conformismo e n fazem nada pra mudar,pra dar uma esquentada ne?? gostei mtoooooooo do poema... parabéns

http://aiphodi.wordpress.com/2012/07/04/21/?preview=true&preview_id=21&preview_nonce=110ad76b10

Layla Silva disse...

"Porque o quase alguma coisa não é nada"
Rebeca, você escreve muito bem! Fiquei encantada com este poema, é realmente lindo. Aliás, como todos os outros textos de seu blog são.
Parabéns, já estou seguindo. Até mais
http://daquioitentaanos.blogspot.com.br/

Jéssica C. disse...

Concordo com cada palavra...é muito sentimento dentro da gente pra ficar recebendo e dando coisas mínimas...
tá certo que nem sempre pode ser tudo ou nada, mas eu gosto de coisas ao extremo

Guru do Metal disse...

quando é bom quanto mais melhor

Gabriel A. Martins disse...

Ótimo poema, Rebeca! Você escreve muito bem, e me identifiquei com todos os versos, em especial a frase "E eu sou coisa demais pra caber dentro de frecha, brecha"

Abraços,
Gabriel
http://desejosdesabado.blogspot.com.br/

Priscilaf. disse...

Lindo poema, "E eu sou coisa demais pra caber dentro de frecha, brecha
Espacinho ou beirada" a melhor parte, me definiu muito!

Beijos,
Priscila

http://cappuccinoeaconta.blogspot.com.br/

Ron Bragio disse...

muito bom o poema. blog massa